Entendendo ebooks e sua acessibilidade

Lucy Gruenwald e Cristiana Cerchiri (ago/2017)

Escrever sempre demanda conhecimento, tempo, concentração, clareza de ideias e, às vezes, espaço para publicar o que foi escrito. Do contrário, o conhecimento não se difunde, e fica restrito apenas ao autor do texto e, quando muito a seus amigos mais próximos.

A tecnologia (mais uma vez ela!), aparece nesse cenário como força transformadora, tanto para os leitores quanto para os autores de livros.

Os ebooks, como são conhecidos os livros digitais, estão mudando a forma como as pessoas leem e armazenam livros. Portabilidade talvez seja uma das principais vantagens, uma vez que os ebooks podem ser armazenados e lidos também em dispositivos móveis. Em um tablet, por exemplo, pode-se transportar facilmente uma infinidade de livros e lê-los em qualquer lugar e a qualquer hora, sem a necessidade de se conectar à internet. 

Escrever, produzir e distribuir livros também nunca foi tão fácil e democrático. Autores independentes (self-publishing) contam com várias plataformas de publicação, que os permite produzir ebooks, publicá-los e distribuí-los sem a dependência dos custos tradicionais de impressão e transporte. Rejeição por parte das editoras, gastos com tiragens iniciais ou caixas de livros encalhados ficam no passado, agora os autores podem concentrar suas energias na produção de um bom conteúdo.

Outra vantagem impactante dos ebooks  é a de permitir que mais pessoas tenham acesso ao livro e à leitura. Referimo-nos especificamente às pessoas cujas necessidades não são atendidas pelas caraterísticas do material impresso, quer por dificuldade de manuseio, quer por impossibilidade ou dificuldade para decodificar caracteres impressos, ou ainda pela complexidade com a qual o conteúdo é apresentado.

Com o uso de tecnologias de apoio (como leitores de tela, ampliadores, acionadores, teclados e mouses alternativos)  e/ou com os recursos de acessibilidade disponíveis nos softwares de leitura e nos dispositivos, o usuário pode ajustar sua leitura às suas necessidades e ler o livro digital com conforto e segurança.  Por exemplo: uma pessoa cega pode fazer com que o conteúdo seja falado, convertido para MP3, ou lido em  braille (assista nosso vídeo no youtube: Linha Braille: saiba como usar ); uma pessoa com baixa visão pode ampliar as letras e trocar as cores de fundo do livro; pessoas disléxicas podem fazer com que o texto seja lido em voz alta, e ao mesmo tempo, ver destacadas  as palavras; pessoas com mobilidade comprometida  podem, com  simples toques na tela, virar as páginas; pessoas com deficiência cognitiva podem ajustar  a leitura em voz alta com a velocidade que lhes for mais conveniente. 

Entretanto, apesar dos grandes avanços tecnológicos na área dos livros digitais, existe ainda uma série de problemas com relação à compatibilidade de formatos, plataformas de leitura, dispositivos e tecnologias assistivas usadas por esse público leitor, além de questões legais de copyright e acessibilidade dos conteúdos, barreiras que impedem o crescimento do mercado editorial. Assim, as editoras, autores e distribuidores precisam entendê-las e atendê-las, a fim de transformar essa realidade.

Para facilitar a compreensão – e, esperamos, também a apreensão -  desse complexo universo dos livros digitais e sua acessibilidade, preparamos um conjunto de perguntas e repostas (FAQ).

1. O abc dos ebooks

  • O que é um  ebook?

Em termos gerais, um ebook é a versão eletrônica de um livro impresso, que pode ser lido em um computador, tablet ou smartphone (celular inteligente).

  • Onde posso encontrar livros digitais?

Ebooks podem ser comprados em sites de editoras, de distribuidoras (como Amazon, Livraria Cultura, e outros), ou baixados gratuitamente de sites específicos da internet, quando a publicação estiver em domínio público. O Projeto Guttemberg , por exemplo, disponibiliza centenas de livros, gratuitamente, em diferentes formatos, em diversos idiomas (incluindo português).  A Biblioteca da Universidade de São Paulo- Sibi-USP, que tem um acervo de mais de 308 mil ebooks, é um outro exemplo de site que disponibiliza publicações com acesso gratuito.

  • Quais são as características de um ebook?

Um verdadeiro ebook apresenta corretamente (não de maneira distorcida ou desorganizada) o texto e as imagens, não importando o tamanho da tela do dispositivo onde o livro é apresentado. Nos ebooks, a ideia de número fixo da página não existe, o texto flui e se acomoda nas telas segundo o tamanho delas: se uma tela está cheia, o texto flui para a próxima– isto é, elas são “refluídas”.

As imagens nos ebooks, se forem implementadas corretamente, são redimensionadas para as proporções da tela.Dessa forma fica fácil ler o livro em qualquer equipamento.

A figura 1 apresenta o mesmo livro sendo visualizado em diferentes tamanhos de tela: no tablet e no celular, orientação paisagem e retrato. Observa-se que o ipad apresenta o conteúdo de duas páginas simultâneas, enquanto que no iphone uma página de cada vez.   

Conteúdo apresentado na tela de um ipad.           Conteúdo apresentado na tela de um iphone.

          Figura 1: Mesmo texto apresentado no ipad e iphone.

  • Existem livros digitais acessíveis e não acessíveis?

Infelizmente, sim, e o termo acessibilidade não se refere, aqui, a questões financeiras. Dizer que um livro é digital não significa dizer que ele é tecnologicamente acessível às pessoas que utilizam tecnologias de apoio para a leitura. No caso de incompatibilidade entre as tecnologias (dispositivo+programa de leitura+tecnologias de apoio), não é possível ler o ebook.

O conteúdo também deve ser estruturado segundo normas de acessibilidade, ou seja, não basta ser digital, o livro tem que ser acessível!

Existem recomendações técnicas internacionais  que os autores e editoras devem seguir para garantir a acessibilidade dos conteúdos de seus livros digitais.  

2. O abc dos dispositivos

  • Em quais dispositivos (hardware) posso ler um ebook?

Ebooks podem ser lidos em dispositivos eletrônicos dedicados, conhecidos como eReaders, em computadores, tablets ou celulares.

No mercado brasileiro encontramos eReaders de vários modelos como Kindle (da Amazon), Kobo (livraria Cultura) e o Lev (livraria Saraiva).

Como exemplo de tablets para ler ebooks, podemos citar o Kindle Fire, dispositivos com sistema iOS (como ipad da Apple) e outros com sistema Android (de várias outras marcas).

  • E-Reader ou tablets? Qual o melhor dispositivo para se ler um ebook?

Tudo depende da necessidade do usuário!

Características dos eReaders:

a) São equipamentos desenvolvidos especialmente para leitura de livros. O acesso à internet é limitado (basicamente só para fazer download dos livros).

b) São mais leves e menores do que os tablets, e em geral mais baratos.

c) Não é possível instalar aplicativos (os livros comprados ou adquiridos devem ser compatíveis com o formato estipulado pelo fabricante do eReader).

d) São práticos para leitura de livros textos (sem muitas imagens ou multimídias).

e)A tecnologia de tela e-ink, não produz reflexo de luz e por isso tem-se a sensação de uma leitura em papel e não na tela de um computador. Esta característica aumenta o conforto da leitura feita ao ar livre e pode ser muito útil para pessoas com baixa visão.

f) São inacessíveis para pessoas com deficiência visual, principalmente as que não enxergam, por não possuírem qualquer capacidade de áudio, não ter controle de contrastes e não ser possível aumentar o tamanho da fonte dos menus (só do conteúdo).

g) Não apresentam os arquivos do tipo PDF muito bem.

h) eReaders equipados com dicionários podem ser boas opções para pessoas com dificuldade de entendimento em  um determinado idioma, como por exemplo os surdos   - (cuja primeira língua pode ser a Língua Brasileira de Sinais- LIBRAS- e não o português), pessoas com deficiência cognitiva ou mesmo estrangeiros.

Características dos tablets:

a) São mais versáteis que os eReaders, porque possuem muitas outras funcionalidade além da leitura de livros.

b) Oferecem acesso à internet,  e  portanto, possibilidade de navegação na web.

c) São mais pesados e maiores do que os eReaders, e geralmente mais caros.

d) É possível baixar diversos aplicativos de leitura e ter acesso a livros de diferentes editoras e distribuidoras.

e) Possibilidade de ouvir audiobooks, músicas, assistir filmes, etc.

f) A sensação de leitura é a mesma da leitura feita na tela do computador.

g) Capacidade para fazer leitura em voz alta com sintetizadores de voz e leitores de tela.

h) Tem mais opções de configuração de acessibilidade  do que os eReaders.

 

  • Dispositivos desenvolvidos para públicos específicos:

Existem equipamentos desenvolvidos especificamente para leitura de livros digitais por pessoas com deficiência visual, como o Victor Reader e o Blaze EZ. São equipamentos que reproduzem por voz o conteúdo do livro, e permitem a gravação de anotações personalizadas pelo usuário, além de diferentes formas de leitura (contínua, por parágrafos, palavras, entre outras).

 

  • Quais cuidados  se deve ter  na hora de escolher o dispositivo de leitura?

É muito importante levantar as necessidades do usuário antes de adquirir o dispositivo de leitura. Fazer perguntas, como por exemplo: É necessário o uso de programa específico de leitura em voz alta? De que tipo: leitores de tela (que leem o texto em voz sintetizada ou “robotizada”) ou recurso de “texto para fala”, quefaz a leitura em voz alta enquanto destaca as palavras que estão sendo lidas?

Qual método o usuário prefere para virar as páginas: botão ou toque na tela? Qual o nível de ampliação necessária? O usuário necessita de luz acoplada? O dispositivo será usado somente para leitura de livros textuais ou serão necessárias outras funcionalidades com acesso à internet?

 

3. O abc dos programas (softwares) de leitura

  • Como faço a leitura de um ebook?

Depois de escolhido o dispositivo é hora de escolher o programa de leitura (software). Nos eReaders dedicados não é preciso se preocupar com escolha ou instalação de programas de leitura, já que a solução é completa: hardware e software. Porém, se a leitura é  em um computador, tablet ou celular, é  preciso escolher um software adequado.

A leitura pode ser feita também na própria web, através de um navegador como Firefox, Chrome, Safari ou outro (neste caso é preciso ter conexão internet), ou com aplicativos específicos. As grandes editoras/distribuidoras, em geral, disponibilizam gratuitamente seus próprios apps, que servem mais do que para ler ebooks, são usados também para organizar a biblioteca dos livros adquiridos.

Existem vários programas gratuitos para leitura de ebooks (apps). O usuário precisa da conexão internet apenas paracarregar o app (uma única vez), e paracarregaro livro (nocomputador, tablet ou celular), mas não para lê-lo. Exemplos de apps para leitura de ebooks: Adobe Digital Editions, iBooks, Kindle, Kobo.

Mas atenção, ao escolher um programa de leitura paraebook, verifique se os recursos de acessibilidade oferecidos atendem às necessidades do usuário, como por exemplo,se tem recurso de sintetizadorde voz em Português, sefunciona com o leitor de tela desejado, se os recursos de ampliação e contraste são suficientes etc.

 

4. O abc dos formatos

  • Qualquer ebook pode ser lido em qualquer dispositivo com qualquer programa de leitura?

NÃO !! os ebooks são arquivos que podem ser gerados em diferentes formatos, e tanto os dispositivos (hardwares) como os aplicativos de leitura (software)  podem aceitar somente determinados formatos. Portanto, se não existe compatibilidade entre dispositivo, programa de leitura e formato do arquivo, a leitura do ebook não é possível! Por exemplo, não dá para comprar um livro digital da Amazon e ler no app  Kobo  (a menos que se faça uma conversão de formato).

  • Quais os formatos de ebook  geralmente usados pelas editoras/distribuidoras?

Há mais de 10 anos as editoras trabalham com a ideia de “empacotar” livros eletronicamente para distribuição. Foram desenvolvidos mais de 20 formatos diferentes, mas com o passar do tempo três formatos tornaram-se os mais populares: o Epub, o Kindle e o PDF.

ePUB(eletronic Publication): Apesar de ser o padrão internacional para ebooks, as editoras/distribuidoras usam métodos diferentes de criptografia para “empacotar” o livro, o que significa que é preciso usar apps de leitura específicas de cada editora para ler o ebook no formato ePUB (ou então convertê-lo para o formato desejado).

Kindle: é o formato proprietário da Amazon, para ser lido nos seus eReaders e nos apps Kindle.

  • É um formato próprio para impressão. Embora muito utilizado pelas editoras e distribuidoras, é importante saber que o PDF apresenta várias restrições. As páginas, por exemplo, são apresentadas sempre da mesma forma, independentemente do tamanho da tela do dispositivo, em uma tela menor, a página é encolhida, assim como as palavras, e consequentemente a sua legibilidade. Outro grande problema é que seu conteúdo pode ser completamente inacessível às pessoas cegas que utilizam leitores de tela.

A seguir apresentamos 2 imagens do mesmo conteúdo sendo apresentado na tela de um iPhone: a primeira mostrao texto criado em PDF, e asegunda imagem apresenta a o texto no formato ePub.Pode-se notar que o texto fica muito mais legível no formato ePub.

                         texto no pdf fica truncado.